Festa do Bonfim recebe título de Patrimônio Imaterial em Salvador-Ba

16 de janeiro de 2014

Fonte Ibahia
O título de Patrimônio Imaterial do Brasil à Festa do Senhor do Bonfim foi entregue na manhã desta quarta-feira (15) pela ministra da Cultura, Marta Suplicy, e pela presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Jurema Machado.
A cerimônia foi realizada na Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, em Salvador, e contou com a presença de autoridades e fiéis. O título de patrimônio imaterial foi recebido pelo governador da Bahia, Jaques Wagner, o prefeito de Salvador, ACM Neto, o arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, o superintendente do Iphan na Bahia, Carlos Amorim, e a juiz da secular Irmandade do Nosso Senhor do Bonfim e Nossa Senhora da Guia, Arthur Napoleão.
Agora como bem protegido, a festa passa a ser periodicamente acompanhada pelos técnicos do Iphan e terão os seus elementos constitutivos monitorados.

Lavagem do Bonfim (Bahia) (Foto: Ingrid Maria Machado/G1 BA)

Antes da cerimônia, a ministra Marta Suplicy ressaltou a importância do reconhecimento não somente para a Bahia, mas para todo Brasil. "Hoje é um dia muito importante para a Bahia e para todos nós brasileiros porque a festa do Bonfim é um símbolo para todo Brasil e para o mundo hoje. É uma enorme felicidade estar aqui hoje e poder estar assinando a festa do Bonfim como patrimônio imaterial", destacou.
Além da Festa do Senhor do Bonfim, o ofício das baianas de acarajé, a capoeira e o samba de roda do Recôncavo Baiano também são bens protegidos. O governador Jaques Wagner lembrou dos outros títulos e destacou a importância deles para a preservação da memória do estado. 
"Na verdade, a gente está tendo um processo de valorização. É uma festa que é a mais tradicional como festa profana religiosa na Bahia. Atravessa a Bahia, o Brasil e o mundo. Muitos turistas vêm aqui, de todos os lugares. Eu creio que o patrimônio imaterial consagrado pelo Iphan coloca toda essa fé do povo baiano no lugar merecido. A capoeira também já é reconhecida, as baianas do acarajé. Agora cabe a nós, governo federal, estadual e municipal, valorizar essa tradição do povo baiano, para que a gente possa atrair pessoas de fora do Brasil para conhecer um pouco da nossa história", afirma o governador.
Critério para escolha
A ministra Marta Suplicy acredita que a importância histórica da festa foi um dos critérios utilizados para a escolha dela como patrimônio imaterial. "São os critérios que o Iphan utiliza de importância histórica e o Bonfim tem essa importância, pela sua idade, pela manifestação de séculos, pelas lutas que foram vividas e vencidas e por ser um lugar de não discriminação absoluta. É uma espaço de convivência de fé, amor e respeito de uns aos outros. É algo muito bonito. E principalmente é uma manifestação do povo baiano".
Jurema Machado, presidente do Iphan, explicou o significado do título de patrimônio imaterial. "Tem esse sentido de continuidade, de transmissão de geração para geração. Ou seja, uma transmissão não formal, não é aquela que está na escola, que é obrigatória, mas se faz pela iniciativa e vitalidade da própria comunidade que a detém. Todas essas características são consideradas. O imaterial, diferente do material, do físico, ele admite essa transformação. Ou seja, ao longo do tempo, a festa teve os seus ajustes de acordo com as modificações do tempo e modo de vida das pessoas. E é justamente essa capacidade de se renovar, de se recriar, de se reapresentar, mas mantendo a essência, que dá essa característica tão excepcional de patrimônio do país", conta.

Cerimônia na Igreja de Nosso Senhor do Bonfim (Foto: Ruan Melo/ G1)

História
De acordo com o Iphan, a festa do Bonfim é realizada desde 1745 sem interrupção, unindo o catolicismo com a tradição afro-brasileira. Historiadores apontam que o início dos festejos foi na Idade Média, a partir da devoção ao Senhor Bom Jesus, o Cristo Crucificado.
A celebração faz parte do calendário litúrgico e das festas de largo da capital baiana, que se mesclam com atividades profanas e culturais. Ela começa um dia após o Santos Reis e se encerra no segundo domingo depois da Epifania, que é o Dia do Senhor do Bonfim.
O final do cortejo, iniciado na Igreja da Conceição da Praia, no Comércio, ocorre na própria Igreja do Senhor do Bonfim, cenário em que é realizada a lavagem das escadarias, na Colina Sagrada. A basílica foi erguida no século 18 e é tombado pelo Iphan desde 1938, registrado no Livro de Belas Artes.

Missa na igreja de Nosso Senhor do Bonfim (Foto: Ruan Melo/ G1)

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

  © Ourblogtemplates

Back to TOP